terça-feira, 18 de novembro de 2008

Bem querer.


Ouvi dizer que tu disse por aí que não quer, mas tu quer. Aí tu passa horas tentando adivinhar se eu quero, mas no fim a única coisa que tu consegue com isso é me querer mais. Se existisse uma fórmula para não querer, eu juro que seria a primeira a querer comprar, mas não a querer tomar, eu só tomaria se tu um dia me desse à certeza que de tanto que não quis querer, conseguiu. E no fundo tu sabe que se eu falasse que queria, sem fazer esforços tu ia deixar de querer, porque ia se tornar um querer fácil, comum. Não ia haver aquele mistério e a insegurança, que é o que nos leva a cada vez mais querer ser melhor para que o outro te queira. Com um brinquedo, enjoaria. O bom mesmo é ter que conquistar o querer aos pouquinhos, em gestos quase despercebidos, palavras não ditas (quando mais queremos ouvi-las), sorrisos camuflados, pernas balançando ansiosas, até na hora de dormir, em que se fecham os olhos e tudo que se quer é que o celular toque, com uma mensagem de boa noite, ou perguntando o que se fez durante o dia, isso é o que faz o ‘querer’ aumentar, sorrir baixo repetindo pra si mesmo ‘ele deve querer’. Declarações sutilmente disfarçadas nas horas mais inesperadas, só pra que mais que de repente venha à certeza de que ele estava pensando em tu (e que talvez, queira). E tu passa dias, torcendo pra que o querer aumente a ponto de se tornar uma coisa mais intensa, mais concreta, o amor. Mas às vezes não se torna, aí acaba antes de começar, o que se dá o nome de atração. Só que na maioria das vezes o querer não se torna amor porque ambas as partes não fizeram por onde (ou seja, planejaram demais). Por isso é que se deve querer sem esperar que o outro queira, (mesmo querendo).
Então, depois de um dia chato, em uma noite vazia, seu telefone irá tocar quando você estiver indo dormir, ele pedirá pra ir até a sua casa, chegará com flores na mão e a camisa que tu disse que adorava e que ele tem ciúmes. Vocês conversarão, você, como não planejou nada, não está esperando nada também, ele então falará de como te querer é bom e como isso aumentou (sem cerimônias nem clichês, e tu tinha imaginado esse dia totalmente diferente). Depois ele faz aquela pergunta que tu queria ouvir desde o dia em que ele quis te beijar pela primeira vez, tu passa uns dez minutos pensando só pra fazer charminho e pra ele ficar na duvida se tu realmente quer (o que nesse intervalo de minutos vai fazer com que soe frio e te queira ainda mais). Daí você, da maneira mais espontânea possível, com um sorriso de orelha a outra responde: Sim, eu quero.

Um comentário:

juliana__ disse...

Eu já vi essa foto em algum lugar.
HAHAH =)

OS TEXTOS POR AQUI ESTÃO LINDOSSSSSSSSSSSSSSSS!