terça-feira, 18 de novembro de 2008

Bem querer.


Ouvi dizer que tu disse por aí que não quer, mas tu quer. Aí tu passa horas tentando adivinhar se eu quero, mas no fim a única coisa que tu consegue com isso é me querer mais. Se existisse uma fórmula para não querer, eu juro que seria a primeira a querer comprar, mas não a querer tomar, eu só tomaria se tu um dia me desse à certeza que de tanto que não quis querer, conseguiu. E no fundo tu sabe que se eu falasse que queria, sem fazer esforços tu ia deixar de querer, porque ia se tornar um querer fácil, comum. Não ia haver aquele mistério e a insegurança, que é o que nos leva a cada vez mais querer ser melhor para que o outro te queira. Com um brinquedo, enjoaria. O bom mesmo é ter que conquistar o querer aos pouquinhos, em gestos quase despercebidos, palavras não ditas (quando mais queremos ouvi-las), sorrisos camuflados, pernas balançando ansiosas, até na hora de dormir, em que se fecham os olhos e tudo que se quer é que o celular toque, com uma mensagem de boa noite, ou perguntando o que se fez durante o dia, isso é o que faz o ‘querer’ aumentar, sorrir baixo repetindo pra si mesmo ‘ele deve querer’. Declarações sutilmente disfarçadas nas horas mais inesperadas, só pra que mais que de repente venha à certeza de que ele estava pensando em tu (e que talvez, queira). E tu passa dias, torcendo pra que o querer aumente a ponto de se tornar uma coisa mais intensa, mais concreta, o amor. Mas às vezes não se torna, aí acaba antes de começar, o que se dá o nome de atração. Só que na maioria das vezes o querer não se torna amor porque ambas as partes não fizeram por onde (ou seja, planejaram demais). Por isso é que se deve querer sem esperar que o outro queira, (mesmo querendo).
Então, depois de um dia chato, em uma noite vazia, seu telefone irá tocar quando você estiver indo dormir, ele pedirá pra ir até a sua casa, chegará com flores na mão e a camisa que tu disse que adorava e que ele tem ciúmes. Vocês conversarão, você, como não planejou nada, não está esperando nada também, ele então falará de como te querer é bom e como isso aumentou (sem cerimônias nem clichês, e tu tinha imaginado esse dia totalmente diferente). Depois ele faz aquela pergunta que tu queria ouvir desde o dia em que ele quis te beijar pela primeira vez, tu passa uns dez minutos pensando só pra fazer charminho e pra ele ficar na duvida se tu realmente quer (o que nesse intervalo de minutos vai fazer com que soe frio e te queira ainda mais). Daí você, da maneira mais espontânea possível, com um sorriso de orelha a outra responde: Sim, eu quero.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Antes do começo


Às vezes tenho a impressão de que quando fechamos uma janela, assassinamos o vento que se debateu no vidro e não teve a oportunidade de entrar, espalhar o que trazia de bom, sua diferença, o que era exclusivamente seu. Às vezes tenho uma leve impressão de que é assim com o coração das pessoas também, elas estão desiludidas demais pra crer que alguém possa trazer algo de bom e por isso se fecham.

E eu acho bastante egoísmo matar uma coisa sem nome ainda (talvez amor) antes mesmo dela nascer.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

sometimes











As vezes nos deparamos com algum momento e ele paira e dura por muito mais que um momento. O som pára, o movimento pára... por muito, muito mais que um momento. E daí, esse momento passa.

- Hold me.
- I can't.

domingo, 2 de novembro de 2008

Andando em circulos


De você sei (quase) nada. Pra onde vai, ou porque veio. Nem mesmo sei qual é a parte da tua estrada no meu caminho. Será um atalho? Ou um desvio? Um rio raso? Um passo em falso? Um prato fundo pra toda fome que há no mundo?

Noite alta que revele o passeio pela pele. Dia claro, madrugada, de nós dois não sei (mais) nada.



...Se tudo passa como se explica o amor que fica nessa parada? Amor que chega sem dar aviso, não é preciso saber mais nada.



(sempre tem que ter um 'quase' pra foder com tudo. Eu nem me surpreendo mais comigo)

Leve na lembrança

A singela melodia que eu fiz

Pra ti, ó bem amada

Princesa, olhos d'água

Menina da lua

Quero te ver clara

Clareando a noite intensa deste amor

O céu é teu sorriso

No branco do teu rosto

A irradiar ternura

Quero que desprendas

De qualquer temor que sintas

Tens o teu escudo

O teu tear

Tens na mão, querida

A semente

De uma flor que inspira um beijo ardente

Um convite para amar


Leve na lembrança
A singela melodia que eu fiz
Pra ti, ó bem amada
Princesa, olhos d'água

Menina linda